Metade dos clubes da Série B já mudou de técnico na atual edição; veja lista

PUBLICIDADE

Bahia, Sport e Guarani demitiram técnicos neste fim de semana. Em realidades opostas – da zona de acesso ao rebaixamento -, as equipes fizeram mudanças motivadas pela insatisfação com os respectivos treinadores. No fim das contas, facilitaram o alcance de uma nova marca: metade dos clubes da Série B do Brasileiro passaram por alteração de comando durante o campeonato.

O Guarani despediu-se de Daniel Paulista em maio, encerrando um dos trabalhos mais longevos entre os times da Série B, com cerca de um ano no clube. Na sequência, Marcelo Chamusca assumiu o time e fez seis jogos, antes de uma nova (e última) mudança.

O Bugre demitiu Chamusca no sábado, ao lado da comissão técnica e do superintendente de futebol Michel Alves.

Na disputa pelo G-4, apenas Cruzeiro e Grêmio mantiveram o mesmo comando sob o qual estrearam neste Brasileiro.

Na vice-liderança, o Vasco enfrentou dificuldades com o então técnico Zé Ricardo, conseguiu se organizar e terminou se despedindo do treinador no início do mês – quando pediu demissão após receber proposta do Shimizu S-Pulse, do Japão. Agora, o Cruz-Maltino está com Maurício Sousa.

Bahia e Sport demitiram os respectivos técnicos com poucas horas de diferença: Guto Ferreira na madrugada do domingo, e Dal Pozzo na manhã do mesmo dia. Guto, inclusive, ainda foi procurado pelo próprio Sport durante o fim de semana. Agora, o Tricolor baiano está com Enderson Moreira e o Rubro-negro pernambucano fechou com Lisca.

Próximo da zona de acesso, o Tombense também mudou o comando da equipe e terminou motivando uma arrancada de 13 posições: saiu da zona de rebaixamento (em 19º lugar) para a 6º. O primeiro técnico era Hemerson Maria e agora quem comanda é Bruno Pivetti.

Em meio clubes na zona de rebaixamento, só a Ponte Preta segue com o mesmo técnico da estreia: Hélio dos Anjos. Os outros três fizeram mudanças: Náutico, Guarani e Vila Nova.

Primeiro no Z-4, o Náutico fez a mudança logo após a estreia na competição. O então técnico Felipe Conceição comandou a derrota para o Londrina, foi demitido e substituído por Roberto Fernandes – que segue no clube, agora em 17º lugar.

Mudaram de comando técnico
Vasco (2º colocado): Zé Ricardo para Maurício Souza
Bahia (3º): Guto Ferreira para Enderson Moreira
Sport (5º): Gilmar Dal Pozzo para Lisca
Tombense (6º): Hemerson Maria para Bruno Pivetti
CRB (11º): Marcelo Cabo para Daniel Paulista
Brusque (12º): Waguinho Dias para Luan Carlos
Novorizontino (13º): Allan Aal para Rafael Guanaes, que estreou no fim de semana.
CSA (15º): Mozart para Alberto Valentim
Náutico (17º): Felipe Conceição para Roberto Fernandes
Guarani (19º): Daniel Paulista para Marcelo Chamusca e agora sem técnico novamente
Vila Nova (20º): Higo Magalhães para Dado Cavalcanti

Não mudaram de comando técnico
Cruzeiro (1º): Paulo Pezzolano
Grêmio (4º): Roger Machado
Criciúma (7º): Cláudio Tencati
Operário-PR (8º): Claudinei Oliveira
Sampaio Corrêa (9º): Léo Condé
Londrina (10º): Adilson Batista
Chapecoense (14º): Gilson Kleina
Ituano (16º): Mazola Júnior
Ponte Preta (18º): Hélio dos Anjos

DO GLOBOESPORTE.COM

PUBLICIDADE