Um novo Santa surge em Pernambuco, com sede no Recife e mando de campo em Olinda

PUBLICIDADE

. Por Cássio Zirpolli

Nos últimos cinco anos o futebol pernambucano viu o surgimento três clubes profissionais, que conseguiram cumprir o protocolo de filiação na FPF, incluindo o pagamento de uma taxa pesada, a maior do “cartório” da federação. Os dois primeiros, Retrô (em 2018) e Caruaru City (em 2021), já alcançaram a primeira divisão local. O novo caçula é o Santa Fé Futebol Clube, filiado em 2022. E este trio têm algo em comum no modelo de gestão, com o formato de clube-empresa, com donos. No caso, Laércio Guerra no Retrô, Evandro Marinho no City e Josiel Crispim no novo Santa.


O nome oficial do novo integrante, que tem as cores laranja e preta, é “Santa Fé Futebol Clube LTDA”. Isso mesmo. O CNPJ foi aberto em 15 de setembro de 2021, com capital social inicial de R$ 50 mil. A sede oficial fica na Rua Jose Maria, no bairro recifense da Encruzilhada, próximo ao outro Santa da cidade. Por sinal, o estádio do Arruda fica apenas a 1,5 km. Embora seja um clube do Recife, o mando de campo no primeiro ano de atividade profissional será em Olinda.

Com o apoio da Prefeitura de Olinda, o Santa realizará os seus jogos pela Série A2 no Grito da República, um palco com 10 mil lugares e com algumas obras estruturais pendentes desde 2016. A prefeitura ainda busca a homologação para o uso nesta temporada, a partir de um investimento de R$ 300 mil no estádio, já liberado via emenda parlamentar. O projeto visa a melhora na evacuação do público e no acesso da ambulância, além da requalificação das cabines de imprensa e da iluminação, necessários para os laudos da PM e dos Bombeiros.

Pelo projeto apresentado pelo Santa Fé, a montagem do elenco deve ser feita exclusivamente com atletas oriundos de projetos sociais, incluindo um convênio com o Tribunal de Justiça de Pernambuco, escolinhas e movimentos comunitários. O time terá jogadores de 16 a 24 anos, com avaliação técnica prevista em março – a segundona local será no segundo semestre.


Paralelamente ao perfil social, a ideia obviamente é revelar jogadores, como Retrô e City, basicamente a única forma de recuperar o investimento feito. Sendo assim, a largada de fato será através de quatro “peneiras”, sendo dois no Recife, um em Olinda e um em Igarassu, sob a coordenação de Palhinha, o primeiro técnico na história do Santa Fé. O clube prevê a pré-seleção de 60 jogadores, com a segunda etapa definindo os 26 nomes do time na A2 de 2022.

PUBLICIDADE