Sport e Náutico começam a decidir o Pernambucano 2021

PUBLICIDADE

Eis que depois de 10 jogos os dois melhores times da primeira fase garantiram seu favoritismo avançando às finais. Assim, a partir deste domingo, Sport e Náutico se enfrentam em duas partidas para definir quem será o novo campeão pernambucano. A primeira partida, com mando do Leão, estará longe da tradicional casa leonina. Devido às fortes chuvas que castigaram o estado nos últimos dias, o embate de domingo, às 16h, foi levado para a Arena de Pernambuco.


Para os leoninos, mais do que uma final, os jogos contra o Náutico são uma tentativa de redenção. Após disputarem o quadrangular do rebaixamento na última temporada e de eliminações vexatórias nas duas últimas Copas do Brasil e na Copa do Nordeste de 2021, o Sport busca retomar a hegemonia doméstica, especialmente sobre os alvirrubros, que não superam os rubro-negros em finais desde 1968.

Apesar do longo tabu, o técnico Umberto Louzer tem encarado a sua primeira final em Pernambuco com muita serenidade. Com 100% de aproveitamento nos três jogos à frente do Leão, entre eles uma vitória diante do Náutico por 3 a 0, na última rodada da fase inicial, o treinador aponta que não espera uma repetição do embate vencido pelos leoninos.

“É outro jogo. Agora vale o título de campeão, então o cenário é outro, então, a preparação tem que ser ainda melhor, É claro que tudo aquilo que nós levamos para aquele jogo, as coisas positivas nós temos que trazer, principalmente o espírito de competitividade, intensidade, de buscar o resultado desde o início, de pressionar o adversário, de saber e neutralizar os pontos fortes do adversário.”

“É isso que nós temos que levar pra cá, esse mesmo comportamento, porque é isso que exige uma final de competição. Que você coloque o seu melhor dentro do jogo. Então, é isso que a gente tem trabalhado, tem procurado passar pros atletas e explorar isso. A gente precisa levar esse tipo de comportamento para dentro do jogo, para que possamos fazer um jogo muito bem equilibrado na fase defensiva e ofensiva, que a gente possa ter esse espírito e que a gente possa demonstrar dentro de campo esse interesse de vencer a partida”, apontou o comandante.

NÁUTICO
Se o Sport busca uma redenção, a situação do Náutico não é diferente. A final, além de ser uma oportunidade para quebrar a hegemonia de 53 anos do Leão nos Clássicos dos Clássicos decisivos, também serve como troco para a dura derrota sofrida na primeira fase do campeonato. Do outro lado, a decisão também é uma oportunidade para consolidar o estilo de jogo com de Hélio dos Anjos e a gestão de elenco que vem sendo aplicada.

Para o treinador, porém, todos esses pontos, os positivos e os negativos, precisam ser relativizados para esta decisão. Na visão dele, o primeiro jogo ocorreu sob circunstâncias muito diferentes, sem o clima de decisão. Quanto ao tabu, Hélio lembrou que, se o Náutico ganhar, a contagem zera novamente. Sobre o seu consolidado estilo de jogo, Hélio afirmou que os 27 jogos que ele esteve à frente do Náutico ainda são pouco para uma sequência.

“Nós temos, sim, um conjunto, uma estrutura de jogo, uma forma de jogar, que é de pouco tempo, também. 24, 25 jogos na vida de um time de futebol não é nada. O jogo envolve coisas totalmente diferentes do que envolveu na última partida. O momento é de decisão, contra uma equipe qualificada, mas a nossa equipe não deixa nada a desejar em relação ao adversário, também, individualmente”, afirmou Hélio dos Anjos.

Além disso, Hélio também frisou que a equipe está ciente que precisa chegar para a partida com um comportamento diferente, mas garantiu que isso não significa que os princípios de jogo serão afetados. Ele garantiu que, internamente, essas pressões não são debatidas, de forma a garantir que o foco total da equipe esteja nesta final, que começa a ser decidida.

Ficha do jogo

Sport
Mailson; Patric, Iago Maidana, Adryelson e Sander; Marcão, Júnior Tavares e Thiago Lopes (Thiago Neves); Neilton, Toró (Marquinhos) e Mikael. Técnico: Umberto Louzer.

Náutico
Alex Alves; Hereda, Camutanga, Wagner Leonardo e Bryan; Djavan, Rhaldney e Jean Carlos; Erick, Vinícius e Kieza. Técnico: Hélio dos Anjos

Local: Arena de Pernambuco
Data e horário: Domingo (16), às 16h
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (FIFA-RJ)
Assistentes: Alessandro Rocha Matos (FIFA-BA) e Fabrício Vilarinho (FIFA-GO)
Árbitro de vídeo: Rodrigo Sá (FIFA-RJ)

Do Esportes DP

PUBLICIDADE