Gilson Kleina não é mais o técnico do Náutico

PUBLICIDADE

Os pontos perdidos no returno diante do Avaí e as derrotas contra o Operário-PR e Sampaio Corrêa, associados ao desempenho ruim e a falta de vitórias, encerraram a era Gilson Kleina no Náutico. Depois de mais um revés, o treinador, que foi contratado como uma das esperanças de acesso à elite nacional depois da queda de Gilmar Dal Pozzo, foi demitido pela diretoria alvirrubra deixando a equipe pernambucana na zona de rebaixamento da competição. 

Sem vencer há cinco jogos e com apenas quatro vitórias em 17 partidas, o desempenho de Kleina à frente da equipe alvirrubra ficou bastante aquém do esperado. O treinador, inicialmente, até promoveu uma boa arrancada, ao pegar a equipe no Z4 e levá-la até a primeira página da tabela, porém, com a campanha de apenas uma vitória, diante do virtual rebaixado Oeste, em 12 jogos, sendo sete derrotas, o time pernambucano voltou a afundar na tabela.

O momento ruim gerou uma prática pouco usual no Timbu. Após a partida diante do Operário, quando foi derrotado por 3 a 1, o comandante não concedeu entrevista a pedido da diretoria, que tentou blindá-lo.

O aproveitamento do treinador à frente da equipe alvirrubra foi de 33,3%, com apenas quatro vitórias, cinco empates e oito derrotas. O melhor momento de Kleina foram os seis jogos iniciais, quando conseguiu três das suas quatro vitórias. Vale lembrar que o Náutico não conseguiu nenhum destes triunfos contra equipes da primeira página da tabela e conquistou apenas um ponto de seis possíveis no returno. Assim, o Alvirrubro se encontra quatro pontos atrás do Vitória, que ocupa a 16ª posição – primeira fora do Z4 – com 24 pontos. 

Sem tempo para lamentar, o Náutico buscará contratar seu terceiro treinador na temporada. Além de Kleina, o Timbu contou também com o trabalho de Gilmar Dal Pozzo, que passou pouco mais de um ano à frente do clube e foi demitido após o empate em 0 a 0 com o Operário, nos Aflitos, ainda no primeiro turno.

Primeiros nomes especulados

Antes mesmo da efetivação da demissão, nomes de outros treinadores começaram a circular como sendo vinculados ao Náutico. Entre eles, se destacam dois velhos conhecidos da torcida do Timbu: Alexandre Gallo, que comandou o clube na campanha da Série A em 2012, que credenciou o Alvirrubro a participar da Copa Sul-americana, e Roberto Fernandes, campeão pernambucano de 2018, quebrando um jejum de 14 anos sem títulos.

Por Super Esportes PE

PUBLICIDADE