Salgueiro bate Afogados por 3 a 0 e vai decidir o Pernambucano com o Santa Cruz

PUBLICIDADE

Ano a ano, campeonato a campeonato, o Salgueiro vai se consolidando como a maior força do interior de Pernambuco. Falta, porém, dar mais um passo. Ser o primeiro clube fora da capital a ser campeão. Em 2020, terá mais uma chance de fazer história. A terceira nos últimos cinco anos. Com autoridade, o Carcará superou o Afogados por 3 a 0 nesta quinta-feira, no estádio Cornélio de Barros, e com isso decidirá o título com o Santa Cruz. 
Nesta sexta-feira, a Federação Pernambucana de Futebol irá divulgar o local dos dois jogos. Certo apenas que ambos, mais uma vez, não contarão com a presença da torcida devido à pandemia do novo coronavírus. Vale ressaltar que os dois são os times de melhor campanha na competição e repetem a decisão de 2015, quando o tricolor ficou com o título. Ao todo, o Santa busca o seu 30º título pernambucano.

O jogo

Cientes da importância da partida, os dois times entraram em campo com uma forte marcação, o que deixou os primeiros minutos truncados no Cornélio de Barros. Porém, o gol não demorou a sair. E veio graças a uma jogada de bola parada. 
Após cobrança de escanteio, Tarcísio se antecipou à marcação e deixou o Salgueiro à frente do marcador, aos 15 minutos. Por sinal, as bolas aéreas foram as principais armas do Carcará no primeiro tempo, com a defesa do Afogados muitas vezes batendo cabeça. 
De toda forma, o gol ajudou a desamarrar um pouco a partida, já que o Afogados precisou sair mais para o ataque em busca do empate. Faltou à Coruja, no entanto, uma melhor articulação ofensiva. E nas poucas vezes que conseguiu fugir da marcação do Salgueiro, o goleiro César Tanaka apareceu bem, fazendo boas defesas em chutes de Júnior Mandacaru e Rodrigo. 
Em uma primeira etapa de baixo nível técnico, o Salgueiro, que pela primeira vez utilizou seu time principal após a volta do futebol, foi para o vestiário com uma vantagem justa por ser um pouco mais organizado em campo.


Segundo tempo
Mesmo com os dois treinadores tendo direito a fazer até cinco substituições, os dois times voltaram com as mesmas formações para o segundo tempo. Com isso, o Salgueiro continuou melhor nos primeiros minutos da etapa final, mantendo a boa marcação e buscando ocupar mais o campo de ataque.
E a pressão dos donos da casa,  mais uma vez, não demorou a dar resultados. Aos nove minutos, após rondar a área do Afogados, a bola sobrou para o meia William Daltro acertar um belo chute, rasteiro, de primeira, e mandar para as redes do goleiro Wallef.
Com a desvantagem de 2 a 0, restou ao Afogados partir para o tudo ou nada. Mas a equipe continuava esbarrando na falta de qualidade e na marcação do Salgueiro. O técnico Pedro Manta ainda buscou dar novo fôlego ao setor ofensivo com as entradas de Thalison e Tiago Bagagem, sem sucesso. Superior, o Salgueiro chegou a marcar o terceiro, com Tarcísio, mas o árbitro Gilberto Castro Júnior marcou impedimento inexistente.
Mas não fez falta. Aos 29 minutos, em outra descida com liberdade, o Carcará chegou ao terceiro gol, com João Paulo chutando sem defesa para Wallef. O Salgueiro estava mais uma vez na final.

Ficha do jogo

Salgueiro 3César Tanaka, Sinho (Dadinha), Ranieri, Arthur e Daniel; Bruno Sena, William Daltro (Raimundinho) e Renato; Tarcísio (João Paulo), Alisson Araçoiaba (Thomas Anderson) e Ciel (Muller Fernandes). Técnico: Daniel Neri.
Afogados 0Wallef; Guilherme, Heverton Luís (Erivelton), Edvan e Rogerinho (Thalison); Diego Teles, Escuro, Candinho (Grafite) e Júnior Mandacaru; Evair (Tiago Bagagem) e Rodrigo (Guedes). Técnico: Pedro Manta.
Local: Estádio Cornélio de Barros, em SalgueiroÁrbitro: Gilberto Castro JúniorAssistentes: Marcelino Castro e John Andson AlvesGols: Tarcísio, aos 15 min do 1º tempo; Willian Daltro, aos 9, e João Paulo, aos 29 min do 2º tempoCartões amarelos: Evair, Grafite, Tiago Bagagem (A), César Tanaka, William Daltro, Sinho (

PUBLICIDADE