Período sem partidas por causa da pandemia de Covid-19 é o maior do Sport no século

PUBLICIDADE

Os últimos meses têm sido inéditos para uma geração de rubro-negros. Mas não das formas mais esperadas: jamais no século vigente a torcida do Sport ficou tanto tempo ser ver o time jogar. Sem ir à Ilha do Retiro. Desde a derrota por 2×1 para o Ceará, no dia 15 de março, até esta terça-feira, são 121 dias que o Leão não entra em campo – até domingo, quando recebe o Santa Cruz, serão 127. O motivo, sabe-se, é a pandemia do coronavírus, que suspendeu as competições por tempo indeterminado em todo o Brasil.

O período inativo atualmente supera os 120 dias sem partidas do clube entre 10 de setembro de 2005, onde o Sport foi derrotado por 2×0 pelo Gama em casa na última rodada da primeira fase da Série B,  até 8 de janeiro de 2006, quando o Leão estreou no Estadual vencendo o Estudantes por 2×0 no Ademir Cunha.
RelembreAté aquele ano, a Segundona era disputada numa fórmula diferente: turno único e os oito melhores avançando, com os demais ficando cedo pelo caminho. Caso do Sport. E que viveu um drama naquela tarde de sábado. No revés para o Gama com dois gols do atacante Maia, o Leão teve uma atuação apática – o que era comum em 2005, marcado também pela perda do título pernambucano no centenário – e corria risco de ser rebaixado à Série C, algo que jamais ocorreu na história. Durante os minutos finais do confronto, a agonia tomou conta e as atenções dos rubro-negros voltaram-se para o rádio, que transmitia os desdobramentos do que ocorria no estádio Barradão.
Lá, o Vitória-BA, concorrente direto na fuga, empatava em 3×3 com a Portuguesa durante todo o segundo tempo e o triunfo dos baianos era suficiente para sacramentar a queda do Sport. O que não ocorreu. A igualdade no marcador perdurou até o fim do jogo, fazendo com que ambos rubro-negros empatassem na tabela, mas, por ter uma vitória a mais (9×8), o time pernambucano acabou não sendo rebaixado.

(Foto: Arquivo DP)
Repercussão da derrota leonina no sessão de ‘Últimas’, do Diario em 11 de setembro (Foto: Arquivo DP)

Outros anosAs outras temporadas em que o Sport passou um período maior sem jogos também foram no início da década passada, sendo 113 dias do fim da Série B de 2004 até o Estadual 2005 e 68 dias do fim da Série B de 2002 até o Estadual de 2003. Já do fim da Série A de 2001 até a Copa do Nordeste de 2002 e do término da Série B de 2003 até o Estadual 2004, o Leão teve o calendário cheio, participando de jogos até o fim de novembro e iniciando o ano seguinte em janeiro – assim como é desde 2006, com turno e returno entre as Séries A e B, competições que o clube disputa.

Do Super Esportes PE

PUBLICIDADE