Náutico sofre nova redução em valor referente a cota de televisionamento da Série B

PUBLICIDADE

O drama que cerca a situação financeira dos clubes brasileiros neste período sem jogos ganhou mais um episódio no Náutico. Isso acontece porque a redução no valor pago nas cotas de transmissão da Série B, que foi anunciada no início de maio, foi mais pesada do que se esperava no Timbu. Se antes a medida anunciava uma queda de 30% nos pagamentos de R$ 600 mil feitos pela Rede Globo, os alvirrubros tiveram a surpresa de receber um valor próximo de 50% deste montante. 

De acordo com o vice-presidente jurídico do Náutico, Bruno Becker, após serem descontados os valores referentes às porcentagens da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), do Sindicato dos Atletas e do INSS, o Timbu receberia um repasse de R$ 311 mil, que, aliás, nem chega aos cofres do clube devido ao bloqueio judicial posto pela 12ª Vara do Trabalho para o pagamento de acordos trabalhistas entre a agremiação e ex-funcionários.  
“A cota era algo entorno de R$ 600 mil em seu valor bruto e tinha os descontos de praxe (6% FPF, 5% Sindicato dos Atletas, 5% do INSS) saídos diretamente para obtermos o valor líquido. No mês passado recebemos algo entorno de R$ 415 mil já com os abatimentos. Este mês foram apenas R$ 311 mil. Dinheiro este que nem vai para a conta do clube. Ele é direcionado de maneira imediata para a 12ª Vara do Trabalho e fica lá retido para o pagamento de inúmeros acordos trabalhistas. O que sobra, ela vai liberando para o clube conforme nós comprovamos as nossas despesas”, explicou Becker. 
Quando anunciada a redução, a emissora carioca apontou que apenas três parcelas sofreriam abatimentos e os clubes seriam ressarcidos no final de período de pagamentos. Com a queda maior do que a esperada nas receitas, Becker aponta que o Náutico irá procurar a emissora para pedir explicações sobre a diminuição do que foi previamente anunciado e a diretoria alvirrubra espera que ocorra o ressarcimento do que foi retido mais à frente.
“Estamos aguardando o momento correto, pois lá atrás foi assinado um contrato que previa uma remuneração por cada participação. Vamos procurar a Globo para sabermos o motivo, mesmo sabendo que eles irão alegar a queda de receitas devido à suspensão dos jogos em decorrência do coronavírus. Nós compreendemos isso, mas esperamos que isso seja pago lá na frente. Para nós, uma redução de 30% é muito pesada e uma de 50% deixa o clube praticamente inviável”, frisou. 

Valores iniciais das cotas

Cota inicialR$ 600 milTaxa do Sindicato dos atletas (5%) – R$ 30 milINSS (5%) – R$ 300 mil FPF (6%) – R$ 36 mil  Valor líquido inicialR$ 504 mil

Valor líquido (abril)

R$ 415 mil

Valor líquido (maio)

R$ 311 mil

DO SUPER ESPORTES PE

PUBLICIDADE